Blog Linux Avante

Wine 5.0 Stable lançado com suporte Vulkan 1.1, XAudio2 reimplementado, suporte multi-monitor mais adequado

21 de janeiro de 2020

Logotipo do software Wine

Wine 5.0 está disponível para download após estar em desenvolvimento por um ano. Esta versão inclui mais de 7400 alterações, sendo os principais destaques o suporte adequado a vários monitores, suporte a Vulkan 1.1, a reimplementação do XAudio2 e módulos integrados no formato PE.

Novo no wine? Esta é uma camada de compatibilidade do Windows para sistemas do tipo Unix (roda em Linux, macOS e também há suporte experimental para Android); usando-o, você pode executar aplicativos e jogos do Windows no Linux, macOS e Android. Por exemplo, a camada de compatibilidade Steam Play da Valve, chamada Proton, é baseada no Wine, permitindo aos usuários rodar facilmente jogos do Windows no Linux.

Mudanças importantes no Wine 5.0 incluem:

  • Vários adaptadores de vídeo e monitores agora são compatíveis de forma adequada, incluindo alterações de configuração dinâmica
  • As bibliotecas XAudio2 foram reimplementadas para usar a biblioteca FAudio externa, para melhor compatibilidade
  • A maioria dos módulos agora são construídos no formato PE (Portable Executable) em vez de ELF quando o compilador MinGW está disponível, ajudando com vários esquemas de proteção contra cópia que verificam se o conteúdo no disco e na memória dos módulos do sistema são idêntico. Nem todos os módulos foram convertidos para PE - o processo continuará durante a série de desenvolvimento do Wine 5.x
  • O driver Vulkan suporta até a versão 1.1.126 da especificação Vulkan
  • Adicionado suporte para compactar texturas usando compactação S3TC (a patente expirou em março de 2018)
  • Drivers de dispositivo Plug and Play (PnP) podem ser instalados e carregados na inicialização

E algumas mudanças não tão importantes, mas que achei que valem a pena mencionar:

  • Aplicativos Direct3D em tela cheia agora inibem o protetor de tela
  • DXGI swapchain presentes informam o aplicativo quando a janela correspondente é minimizada, o que geralmente permite que os aplicativos reduzam o uso da CPU enquanto são minimizados e, em alguns casos, é necessária para permitir que a janela do aplicativo seja restaurada novamente
  • Alternar entre os modos de tela inteira e janela usando a combinação padrão Alt + Enter é implementado para aplicativos DXGI
  • Bibliotecas de 32/64 bits incorretos são ignoradas quando encontradas no caminho de pesquisa, para permitir o carregamento da correta se for encontrada mais adiante no caminho
  • Arquivos de patch do Microsoft Installer (MSI) agora são diretamente suportados
  • Os add-ons Gecko e Mono agora oferecem suporte à instalação compartilhada, onde os arquivos são usados diretamente de um local global em /usr/share/wine em vez de serem copiados em cada novo prefixo

Visite o anúncio de lançamento do Wine 5.0 para a lista completa de alterações adicionadas nesta versão estável.

Como de costume, a maioria dessas mudanças/recursos já estavam disponíveis nas compilações de teste e desenvolvimento do Wine mantidas por WineHQ, que também são usadas por Lutris, PlayOnLinux ou Valve's por exemplo.

Baixando o Wine

Wine 5.0

Baixar Wine

Os binários do Wine 5.0 fornecidos pelo WineHQ ainda não foram compilados no momento em que estou escrevendo este artigo, mas devem estar disponíveis em breve. É por isso que na captura de tela acima estou usando o Wine 5.0-rc6 (build de desenvolvimento). A fonte já está disponível para download.

É importante notar que Wine 5.0 (isso começou com o desenvolvimento/teste do Wine 4.5) é a primeira versão estável do Wine que requer a dependência libfaudio0, que não está disponível no Ubuntu 19.04/Debian 10.1/Linux Mint 19.* e em repositórios mais antigos, ou no repositório oficial do Wine. O seguinte artigo explica como instalar corretamente o Wine neste caso: Como instalar o Wine Staging, Development ou Stable no Ubuntu, Linux Mint ou Debian 10 (evitando problemas de dependência)

Confira a versão original desse post em inglês
Propaganda
Blog Comments powered by Disqus.
Propaganda