Blog Linux Avante

Cloaker: criptografia fácil de arquivos com suporte para Windows, macOS e Linux

9 de julho de 2019

Cloaker é uma das ferramentas mais fáceis para criptografar e descriptografar arquivos únicos com suporte para várias plataformas (executado em Linux, Windows e macOS).

A ferramenta gratuita e de código aberto tem uma interface de usuário Qt5 muito básica na qual você arrasta e solta um arquivo que deseja criptografar ou descriptografar, digita a senha (com um comprimento mínimo de 10 caracteres), escolhe o local onde deseja salvar o arquivo e pronto. Além do mais, o Cloaker é portátil/não requer instalação.

Codificador de arquivo cloaker para Linux, Windows e macOS

O objetivo do Cloaker é torná-lo tão fácil quanto proteger um arquivo com uma senha, fornecendo a criptografia de arquivo mais direta possível, ou pelo menos assim afirma na descrição do projeto.

Para evitar deixar arquivos parciais não criptografados em caso de falha do programa, apenas um arquivo pode ser processado por vez. Caso queira criptografar vários arquivos, adicione-os a um zip ou outro arquivo.

Embora o aplicativo deva ser usado com uma interface gráfica do usuário, o Cloaker também possui uma interface de linha de comando que pode criptografar e descriptografar arquivos, que também é multiplataforma (roda em Windows, macOS e Linux). Esta interface cli não está disponível no binário do Linux e seu uso não é explicado na descrição do projeto, mas eu compilei do código-fonte para experimentá-lo. Para criptografar um arquivo usando Cloaker cli, use -e my-file.txt e, em seguida, descriptografe-o com -d my-file.txt.cloaker

É importante observar que você não deve esquecer a senha que definiu ao criptografar um arquivo, pois você não pode recuperá-lo. Você perderá os dados criptografados se esquecer a senha! Salve a senha usada para criptografar um arquivo em um gerenciador de senhas (eu recomendo Bitwarden) ou armazene-a de alguma outra forma segura.

Relacionado: Como criptografar uma unidade USB com VeraCrypt (compatível com Windows, macOS e Linux)

Também deve ser notado que salvar o arquivo descriptografado no disco não é uma boa idéia, pois é recuperável, portanto, para arquivos importantes é melhor descriptografá-los em discos ram. Uma maneira de fazer isso seria descriptografar o arquivo para /dev/shm, que é um ramdisk no Linux.

O núcleo do aplicativo é escrito em Rust e a GUI em C ++ com MFC e Qt. Sob o capô, o Cloaker usa criptografia de fluxo do invólucro de óxido de sódio Rust do libsodium (XChaCha20Poly1305). A construção XChaCha20Poly1305 pode criptografar com segurança basicamente um número ilimitado de mensagens com a mesma chave, até aprox. 2 ^ 64 bytes (cerca de 256 GB), enquanto seu grande tamanho de nonce (192 bits) permite que nonces aleatórios sejam usados com segurança.

Quanto ao futuro, o Cloaker está planejado para receber um indicador de progresso ou algumas estatísticas de velocidade, e a interface de linha de comando deve ter mais melhorias. Além disso, uma versão móvel pode ser criada no futuro.

Baixe a ferramenta de criptografia de arquivo Cloaker

Baixe o Cloaker

Cloaker é portátil e não requer instalação. Extraia o arquivo do seu sistema operacional (Windows, macOS ou Linux) e clique duas vezes no executável do Cloaker para executá-lo.

No Linux, para ambientes de desktop que não oferecem suporte ao clique duplo em executáveis para executá-los, você pode executar o Cloaker usando um terminal e digitando ./Cloaker.run no local para o qual você extraiu o Cloaker:

Comandos para usar no terminal

./Cloaker.run

Você também pode arrastar e soltar o arquivo Cloaker.run no topo de uma janela de terminal e, em seguida, pressionar a tecla Enter para executá-lo.

No Linux, o binário Cloaker requer pelo menos glibc versão 2.25. Isso significa que, por exemplo Ubuntu 18.04 (e Linux Mint 19. ) é compatível, mas Ubuntu 16.04 (e Linux Mint 18. ) não.

Você pode gostar de: Como fazer uma chave PGP no Linux usando uma GUI (e publicá-la)

Confira a versão original desse post em inglês
Propaganda
Blog Comments powered by Disqus.